quinta-feira, 7 de agosto de 2008

Comic-Con bate novo recorde com 130 mil pessoas

É a parada do orgulho nerd. Nos últimos cinco dias, a ensolarada cidade de San Diego, na Califórnia, viu dezenas de milhares de fãs de gibis de super-heróis, videogames e seriados tirando as fantasias de seus personagens favoritos do armário para desfilarem soberanos pelas ruas de Downtown e corredores do gigantesco centro de convenções que todo ano, desde 1991, sedia a tradicional San Diego Comic-Con.

Com recorde de cerca de 130 mil pessoas nesta edição, o evento é o maior do gênero no mundo e vem atraindo cada vez mais a atenção das grandes corporações do mundo do entrenimento. De Hollywood aos fabricantes de brinquedos e games japoneses, todos querem uma fatia do bolso do público nerd (não mais necessariamente o arquetípico jovem devorador de livros de ficção-científica, fora de forma e sem vida social que a mesma Hollywood acabou por cristalizar). Impulsionados por sucessos de bilheteria de filmes baseados em franquias de HQs ou nas séries antigas de televisão, os estúdios passaram a investir na Comic-Con como o melhor termômetro para testar a receptividade a seus novos lançamentos. Neste ano, os freqüentadores do evento - sempre ávidos por quaisquer pontas de informação sobre suas franquias prediletas - fizeram filas enormes para conferir em primeiríssima mão cenas inéditas de filmes como "Watchmen", aguardada adaptação da HQ cult de Alan Moore e Dave Gibbons, "Wolverine" e "The clone wars", a nova animação do universo de "Star wars" prevista para estrear no final de agosto.


Deixando de lado o clima de segredo que geralmente ronda produções desse porte, na Comic-Con, o fã é brindado com exibições e informações exclusivas, de materiais muitas vezes inacabados, como foi o caso dos segmentos dos novos filmes da Disney/Pixar, "Bolt" e o promissor "Up", que só deve chegar aos cinemas em março de 2009.

Se fantasiar de "Brokeback mountain",ninguém quer,né...

Museu suíço mostra 'esqueletos' de personagens de HQ

Uma exposição no Museu de História Natural de Berna, na Suíça, mostra como seriam os esqueletos de vários personagens de quadrinhos e desenhos animados se eles realmente fossem seres vivos. Estão expostas em Berna o que seriam as "ossadas" de personagens como Pernalonga, Pato Donald, Papa-Léguas e a divertida dupla Tom e Jerry. A mostra insólita é o resultado de uma cooperação entre os paleontólogos do museu e o artista sul-coreano Hyungkoo Lee, que construiu os esqueletos observando todas as regras de anatomia. O artista projetou os esqueletos baseando-se nas figuras dos personagens e também na anatomia original dos animais que eles representam. Ele usou técnicas científicas e simulações de computador para criar os esqueletos feitos com resina.
O resultado é uma divertida brincadeira com a séria ciência da paleontologia, que reconstrói ossadas de animais extintos, como o dinossauro. Segundo os organizadores, o museu quer fazer com que os visitantes pensem sobre a reconstrução de animais fossilizados.
"Quando um animal pré-histórico é reconstruído também não conhecemos todos os detalhes de sua anatomia - como no caso dos personagens", diz a porta-voz do museu. Neste caso, no entanto, a reconstrução tomou o caminho inverso: Dos dinossauros só se tem os ossos, e dos personagens, só a aparência. A mostra "Animatus" criou nomes científicos em latim para cada personagem mostrado. Assim o Coiote, eterno inimigo do Papa-Léguas, foi chamado de Canis Latras Animatus, e o pássaro veloz perseguido por ele levou o nome de Geococcyx Animatus. Segundo essa nomenclatura, o Pernalonga pertence à espécie Lepus Animatus e o Pato Donald leva o nome científico de Anas Animatus. A mostra fica em cartaz no Museu de História Natural de Berna até o dia 31 de agosto de 2008.(Ou seja,corra lá para ver)

sábado, 2 de agosto de 2008

O mais puro sentimento do mundo -O AMOR






Flavio Briatore, chefe da Renault, curtindo a lua-de-mel com sua nova esposa, a modelo Elisabetta Gregoraci.